Ocorreu um erro neste dispositivo

15.1.10

Mário Mendes bateu a 120 quilómetros/hora mas acidente não será investigado pelo MP

A informação é do Jornal Público.
Perante situações destas, nem me apetece comentar.
Todavia, sou de opinião que, a bem de um esclarecimento cabal acerca do mundo em que vivemos e para evitar mal entendidos presentes e futuros, o legislador deveria tornar lei as situações de excepção que a lei obriga a todos os cidadãos. Ficaríamos todos muito mais descansados.
Ah, e outra coisinha: seria de todo importante que todas as viaturas, que constituíssem excepção à lei, tivessem uma marca claramente distinguível para que, amanhã, não nos ocorresse cruzarmo-nos com elas.

11.1.10

Confissões

Já há bastante tempo que cá não vinha. Mas hoje, agora, sinto necessidade de escrever um pouco e de partilhar o que me vai na alma, por assim dizer. Sei que sou muito melhor e provavelmente mais eficiente na escrita do que na oralidade. Aliás, um dos meus temores, quando era ainda um miúdo nestas andanças da vida, era precisamente o ter que me expressar oralmente e em público. Engraçado como hoje me sinto tão à vontade para falar para um auditório repleto de centenas e centenas de pessoas. Mas ao telefone, oh meu Deus!!!! Já me disseram que eu era a pessoa mais formal que alguma vez pudera existir. Bem, de facto, não foi exactamente assim que me disseram, mas pronto, digamos que eu abrevio as coisas para esta forma de dizer. Mas ao telefone, oh meu Deus!!! E hoje foi a tragédia total. O formalismo de lado e a informalidade a todo o vapor. Ai, e a minha cabeça, e as minhas indecisões.... Valeu que quem me escutava, pacientemente, do outro lado da linha, me apoiou e me ajudou a focalizar as verdadeiras questões.
Se eu não tivesse acabado de regressar de férias, diria que estou a precisar de ir até às Caraíbas ou, sei lá, até a um espaço onde encontre um sol quentinho e um abraço que me faça sentir vivo e capaz de raciocinar racionalmente.
Espero poder, em breve, encetar uma nova viagem de circunavegação e chegar até ao Oriente, pois estará a fazer dois anos, dentro em breve, que eu fiz essa viagem. E foi o melhor que me podia ter acontecido. Preciso, com urgência, de regressar a esse local onde os pássaros azuis voam bem alto nos céus e onde o dia é sempre Luz, Calor e Emoção. Preciso. Muito.