Ocorreu um erro neste dispositivo

25.5.09

Do colectivo cibernáutico à solidão existencial

Li, num dos blogues, que acompanho uma reflexão sábia sobre a fractura que parece estar, cada vez mais, a assolar os povos tecnologicamente evoluídos: é possível ter milhares de "amigos", graças às redes sociais de partilha na internet, mas não ter, de facto, ninguém para ir tomar um café.
Acrescento que, graças à globalização da informação, hoje sabemos praticamente tudo o que ocorre no mundo em directo, mas nunca como hoje fomos tão insensíveis à dor e à desgraça dos que, como nós, partilham este mundo: penso, em concreto, nas violações dos direitos humanos, na fome, na guerra, nas injustiças múltiplas que encontramos todos os dias.
Aqui vos deixo o link do post que me inspirou:

1 comentário:

F3lixP disse...

HUmmm, temo que seja verdade, que cada vez mais as pessoas se refugiem num mundo mais virtual!
Pessoalmente tenho imensos amigos virtuais, alguns deles conheci-os pessoalmente, alguns mudaram a minha vida mas nunca a tomaram (excepto um, lol)! Nada substitui os meus amigos de longa data, a minha familia ou um passeio enorme para tirar fotos!
Resta saber quantos sabem dar o devido tempo a cada uma dessas coisas.