Ocorreu um erro neste dispositivo

19.3.08

O jardim à beira-mar plantado...

Sei que é suposto sermos patriotas e amarmos muito a terra que nos viu nascer, mas como eu não nasci por aqui e sempre fui / sou um bocado kaótico, e isto para me apresentar como politicamente correcto, passo a enumerar um conjunto de comportamentos dos indígenas, meus conterrâneos, que me deixam profundamente irritado:
- Cuspir e escarrar para o chão.
- Proferir, enquanto autênticas "muletas linguísticas", um vernáculo de fazer corar qualquer um (a situação torna-se tão mais desgraçada quando os falantes ainda não atingiram a maioridade e, sendo do sexo feminino, não têm qualquer pejo em se referir à anatonomia humana, com mimos e atributos que me deixam sempre em estado de choque... E olhem que eu sou 84% open minded!!!!).
- Não respeitar a fila onde quer que se esteja.
- Fazer questão de deitar, para o chão, os papéis, quando a papeleira está ali à beira.
- Bater a porta na cara de qualquer pessoa.
- Quando, por educação, se segura a porta, tratarem-nos como empregados, entrando 10 ou mais pessoas e ficando nós ali, segurando sempre; e nem um agradecimento, sempre um olhar superior, porque, aos pobres, não se dá confiança! Juro que, qualquer dia, no final, vou pedir uma moedinha!
- Qual enxame, sermos sempre perseguidos por "arrumadores" aonde quer que tentemos estacionar o carrito ou paremos num semáforo.
- Cuscar a vida alheia sempre, sempre e sempre. Acho que estes indígenas devem trabalhar para algum serviço de informações dado o conhecimento e os pormenores que parecem conhecer da vida dos outros. Às vezes, divirto-me imenso com isto, dado ficar conhecer coisas que, eu próprio, desconhecia acerca da minha própria vida!!! Mas mantenho um ar sério e nunca esclareço ou clarifico coisa alguma... há que alimentar o showbusiness!!!!

6 comentários:

mik@ disse...

kapitão estou ctg...

essas coisas também me mexem com o sistema nervoso de uma maneira... uih

como se costuma dizer... "senhor dai-me paciência porque se me deres força juro que lhes bato!)

bjinhos :)

pinguim disse...

Pois eu sou 100% "portuga", mas apontaste todos os vícios "incivilizados" cá do burgo; desculpa, ainda faltaram uns tantos (só na condução, apareceriam vários...)
Abraço.

Umabel disse...

LoOl

A mim também me faz uma certa comichão este tipo de atitude... mas vamos lá ver pela positiva... também temos coisas boas... não? ;)

Beijus com carinho

Gione disse...

Eu tb não nasci cá mas conheço muitos indígenas que também já não são assim e ainda bem!

Obrigada pela visita que me fizeste.

Boa Páscoa!

Hydrargirum disse...

Ai meu Deus...só o "- Cuspir e escarrar para o chão."...me fez contorcer a cara...:(

KANOJO!

Quanto as asneiras...ups não posso dizer nada....pois mostrei publicamente um certo "baralho":)

Quanto ao resto...Aye aye Kaptain!!!!

AG:)

Kapitão Kaus disse...

Car@s Amig@s,

Concordo convosco que, por cá, também temos gente excelente, hospitaleira, educada, sensível e muito gentil. De facto, este é um dos países onde somos sempre muito bem recebidos aonde quer que vamos. E este é um aspecto a realçar pela positiva.

Há, todavia, toda uma série de comportamentos que importa melhorar, quanto mais não seja porque já não vivemos tão isolados como há umas décadas atrás.

Quando efectuei esta publicação, pensava, em concreto, na cidadezinha aonde vivo vai para mais de 30 anos, e não tanto no país ou na nação, em termos globais. É por isso que algumas das considerações só são plenamente perceptíveis pelos conterrâneos do burgo...

Hydra-Friend, esse "baralho" de que falas não é nada de chocante quando comparado com os mimos que, em qualquer paragem de autocarro, ou em qualquer mercado, se ouvem, mesmo em sujeitos aparentemente escolarizados ou em vias disso...

Beijinhos e abraços para tod@s :)