Ocorreu um erro neste dispositivo

17.3.09

Staying Relaxed Under Stress

Trabalhando, neste preciso momento, este tema com vista a uma acção de formação que será disponibilizada na empresa, nos próximos dias, lembrei-me de o partilhar convosco. Até porque sei que, para alguns, será muito bem-vindo.

 

“When stress gets out of hand and you begin to show signs of physical, social, or emotional difficulties, you will need to learn to cope with it another way. Here are few ways people have found to cope with stress:

Work out. Get some physical exercise. Walking, jogging, working out in some way you can take your mind off a problem can help your body recharge.

Tell somebody how you feel. Talking about your feelings with someone who is supportive and trustworthy can help you feel better.

Take a break from the pressure. (…) if there are too many demands n your time, i. e, job and school work, take a look at your Schedule and see if you can make some changes to make life a little easier.

Analyze your thinking. Are you creating stress by negative thinking?”

Davis, L.; Sirotowitz, S. & Parker, H. C. (1997) Study Strategies Made Easy. A Practical Plan For School Success. Plantation, Florida: Speciality Press, p. 110.

Neste caso, os autores recomendam que, para cada pensamento negativo, encontrem um pensamento positivo que o possa substituir e que o anotem no vosso diário.

Assim o farei eu também:

Desabafo negativo: estou absorvido em trabalho e temo não conseguir concluir tudo dentro dos prazos.

Pensamento positivo: ainda bem que tenho muitas solicitações, significa que tenho trabalho. E tudo será feito, com a qualidade necessária, no tempo preciso. Afinal, Deus, que era Deus, levou 6 dias a criar o mundo. Era Deus, e mesmo assim não conseguiu fazer tudo num só dia!

 

1 comentário:

Daniel Silva disse...

Um amigo dos autores que citas chama noutro livro a isso, auto-afirmaçoes correctivas e contra-ideia positiva. Uma vez dei uma olhadela longa nisso.

Existem imensas técnicas para o relax e fala-me muito no Copy (uma espécie de como enfrentar assertivamente o stress e lidar com ele).

Para muitas pessoas estas pequenas coisas são preciosas ajudas. Penso que a velha máxima de que não importa o que nos acontece mas a forma como encaramos o que nos acontece, simplifica todo o processo. Podemos driblar a mente e devemos, para ficarmos mais relaxados e mais restabelecidos para ir em frente, mas o mais importante é o que transcreves no início: desabafar com alguém em quem se confie, prática de exercicio fisico, dar prioridades à lista de coisas para nao amontoar e nao causar maior stress, etc... Eu diria mais: tirar uma folga, dar umas ferias, ainda que seja so um dia ou dois. É um custo-beneficio que vale muito a pena.


Penso que, quando mentalizamos um life style, se nos formos conhecendo vamos aceitando melhor as contrariedades que, nalguns casos, se tornam gigantes de moinho. Para alguns uma simples pedrinha é um calhau com o peso que cai de um edifício de 15 andares.

È por isso que esta temática que trouxeste à partilha, à colação, é tão mais pertinente...

Por vezes julgo que pelo ramerrão diário da sociedade e vida em que vivemos, a falta de tempo para nós próprios, para o silêncio, para estarmos numa "cool", etc., sem constantes apelos de amigos, trabalho, eventos sociais, bla bla bla.. a falta de tempo que não nos concedemos vira-se contra nós e, ou aparecem as depressões (quantas vezes camufladas e nao percepcionadas) ou ficamos exangues e depauperados sem necessidade.

Porque havemos de somatizar, ou seja, de pagar com juros, o que podemos comprar ao preço base?

Obrigado pela partilha.

Hugs :)