Ocorreu um erro neste dispositivo

11.1.08

Gerindo a empresa...

Não sei se foi, por influência, da blogomania ou de outro vírus qualquer, extremamente comum em determinados espaços fechados das grandes multinacionais, mas hoje, lá na empresa, no contexto de uma importante e magna reunião com todos os administradores, vi-me acometido por um estado de intervenção delirante, que não deixou de ser notado. Passou-se a situação do seguinte modo: toda a gente engravatada e muito bem comportada, elas com postura de executivas sérias e de mães de família já entradotas na idade (mas quase todas, de facto, solteiríssimas ou sem companheiro!), sentados a uma mesa, numa sala de reuniões enorme. Eu, também de fato e gravata, com ar sisudo e de "administrador".
Eis que, de repente, entra na sala um ser absolutamente interessante (sob o ponto de vista cultural, como seria de esperar!!!!). Fiquei siderado. Oh my God! Deve ser consequência da carta que recebi ontem, no meu mail!!!!
De uma assentada, levantei-me. O administrador-mor parou de falar e olhou-me. Puxei de uma cadeira e, zás, inquiri o ser se seria possível facultar-me o seu contacto pessoal:
- O meu contacto pessoal?!?...
- Sim, o seu número de telemóvel, por favor.
- Mas.... eu... não estou a perceber....
O caldo começou a entornar: o administrador-mor agitou os braços, prenúncio de que iria proferir alguma afirmação politicamente menos correcta.
Os meus colegas abriam e fechavam as bocas como peixinhos dentro de um aquário, mas não se ouvia qualquer som. As minhas colegas fraziam-me os olhos, mas, no íntimo, gozavam com a minha capacidade de delírio e de alucinação. Acho até que tinham um bocado de inveja por não serem elas o alvo do meu olhar guloso e salivante.
- Rais partam os trabalhadores nesta terra! Dê-lhe lá o raio do número e sentem-se os dois, pois temos decisões importantes para tomar! O país não pode ficar preso pela porra de um número!!!
Foi assim, sentámo-nos, anotei cuidadosamente o número do seu telemóvel, e lá continuámos a nossa reunião da administração.
Assim, vale a pena fazer negócios!

2 comentários:

Hydrargirum disse...

Eu achei um piadão a isto...

Li ontem qd cheguei a casa a tarde e a más horas, mas só agora é que tenho a sanidade para responder:)

E que tal, já usaste o número?

Achei um piadão à tua atitude forthright e à sinceridade do momento!:)
E à descrição da cena toda!:)

Bem, que negócio bem feito!:)
Abraço:)

Kapital Kaos disse...

Infelizmente, para mal dos meus pecados, saí do gabinete e tive o azar de deixar, no meio das papeladas, o dito cujo.

Amanhã, até irei mais cedo para o trabalho, para recuperar o número. E que jeito me vai fazer!...

Abraço :)